terça-feira, 26 de agosto de 2014

À DERIVA



Quando a desconfiança assume o posto
Difícil é reverter leme do barco!
Se havia controle algum, agora é parco
E a onda leva embora a contragosto!

Avultam-se arrecifes... Mês de agosto...
O que era mar agora virou charco!
Trocado o certo foi pelo suposto
Deixou fincada a flecha, levou o arco!

Já não há tempo mais para conversa
A mão desfere o golpe de perversa
Na errada e hipotética visão...

O barco encheu-se d’água e a popa imersa
Já não atende ao leme ou vice-versa
E vai por água abaixo, sem timão...