Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

O VOTO de GARIBALDO


Garibaldo jogou limpo
No bilhete premiado
Sonhou que estava no olimpo
Acordou, ficou frustrado...
Garibaldo não dá trégua
A cabra ‘fii duma égua’
Que é trapaceiro e safado!

Mas, venderam-lhe a ilusão,
Em um discurso eremítico.
Garibaldo um homem ‘bão’
Quase ficou paralítico!
Trabalhou a vida inteira,
Vitimou-lhe a lisonjeira
Promessa de um político!

Garibaldo vendeu tudo,
Só ficou com uma porquinha;
Vendeu gado, vendeu roça,
Vendeu granja de galinha,
Conversou com um E.T.
Para ajudar ao PT
Que ajudaria a Varginha!
  
Levantou mundos e fundos,
Pra ajudar uns “companheiro”...
Políticos vagabundos
Levaram-lhe seu dinheiro!
.....................................
No Brasil de Garibaldo
O povo não tem respaldo
̶  Vota em burro... o lisonjeiro!