Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

sábado, 22 de junho de 2013

BRASILEIRO!


Não faça ouvidos, pois, de mercador
Ao grito retumbante lá da rua!
É o coração do povo em seu furor,
Diante da impunidade e falcatrua!

Faça da voz do povo também sua!
Lute por seus direitos, com louvor!
Faça que o seu país seja melhor!
Exija um bom governo e o mal recua!

As reivindicações, direito seu,
São contra usurpações do seu, do meu...
E por melhor Saúde e Educação!

Quem apostou no errado já perdeu.
Dormiu, não viu que o dia amanheceu...
Não dá mais pra aturar a corrupção!



terça-feira, 4 de junho de 2013

O AMOR


Ei-la a sorrir... É a flor enamorada!
Seus olhos a brilhar são duas estrelas
A me queimar a face desgastada...
Não penso... Corro célere pra vê-las!

São contas que cintilam como velas,
Na velha esquina, em noite enluarada,
Enquanto a flor mais bela e cobiçada
Flerta os olhares mil de mil janelas!

Como é gentil a vida em meu compasso!
Ainda me ferve o sangue a cada passo,
Mesmo a tingir de cinza os meus cabelos...

O amor refaz a vida no mormaço,
Refaz em nós as cores e os anelos!
Por isso... A cada dia eu me refaço!

domingo, 2 de junho de 2013

MUNDO QUE QUASE NÃO VEMOS


Esgueira-se entre os galhos e entre as folhas
Minúsculo existente ser do mundo!
Não há caminhos tantos (mas há escolhas),
Não poderá falhar por um segundo!

O inseto que labora em chão fecundo
Jamais reclamará do que tu colhas,
Jamais te impedirá que ali recolhas,
Pois nunca pisarás solo infecundo!

Esgueira-se entre as folhas e entre os galhos
O ser em luta plena pela vida!
Minúsculo, se afasta dos chocalhos,

Na chance mais u’a vez oferecida!
Não há na natureza os atos falhos...
Para dois pesos, há u’a só medida!