Vozes/Poesia em Vários Tons/Poesias Brasileiras/Um Passeio por Minas Gerail/A Poesia de Ineifran Varão vols.I e II/Poemas Brasileiros/Causos e Cordéis/Varano/Varano, o poema sonoro

domingo, 31 de julho de 2011

A flor que eu encontrei

Vi num jardim da rua da Saudade
Uma pequena flor que me sorria;
Por lá passava eu a dar bom dia
A uma flor no meio da cidade!

O que se passa aos olhos do poeta,
A outros olhos lhes parece vão...
Aquela flor um dia foi botão...
É a vida pelos olhos dum esteta!

De ver a vida assim me acostumei,
Tornei você a flor que eu encontrei,
Para regá-la sempre à luz da lua!

Em minhas noites beijo os lábios seus,
Os dois botões que apontam os lábios meus
E encontro a suave flor, ardente, nua!

Assista ao vídeo no endereço abaixo:
http://youtu.be/_jxZwc1QOdo

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Amemo-nos, nos contras e nos prós

Um céu azul de anil circunda a terra
E a natureza em festa ecoa em sons maviosos
Um canto alvissareiro, em coros majestosos,
Trazendo a luz radiante em raios poderosos,
Saudando o grande amor que o peito dentro encerra!

Agradeçamos, pois, à Divindade eterna,
Que nos deu nessa vida em profusão o amor,
Na suavidade límpida da tenra flor,
Nos corações que vibram e amam com ardor,
Nas relações saudáveis, mansas e fraternas!

Veja que o céu se perde nesse olhar profundo
A nos dizer: Pequenos sois, pois, todos vós!
Sutil, suscita o alerta em cada um de nós,
Que amemos uns aos outros em contras e prós
Para que possa o amor reger a todo o mundo!


quarta-feira, 13 de julho de 2011

A dona do meu amor















Viajei pela galáxia
Fui a Vênus passear
Passei por perto da Lua
Brilhante, linda e tão nua
Onde a paz reina e cultua
A arte do verbo amar!

Conheci diversos mundos
A muita e pouca distância
Alguns plenos de maldade
Outros de felicidade
Alguns onde havia bondade
Outros cheios de ganância!

Vi que a inveja é um veneno
Que o mal ao bem não supera!
Vi rancores na sarjeta
Malfeitores de muleta
Não vi sequer um exegeta
Onde o mal se prolifera!

Vi também muita beleza
Em mundos de alegria
Com anjos por toda parte
Querubins fazendo arte...
Vi as belezas de Marte...
Vi mundos de poesia!

Lembrei-me, pois, com saudade
Do amor que nunca deixei
Ela ao meu lado sonhando
Um beijo de vez em quando
Seu corpo me convidando
Para o amor que sempre amei...

Num zás-trás voltei ao mundo
Onde habita a minha Lua
- A dona do meu amor!
Ela, ao me ver, sem pudor,
Corpo nu em esplendor,
Disse: Possui-me, sou tua!

Brincando de poesia

Brincando de fazer verso,
Vi a terra flutuar,
Viajei pelo universo,
No difuso, no diverso
Mar de estrelas a pulsar!
Brincando de fazer verso
Comecei a poetar!

Meteoros e cometas,
Coloquei-os no papel.
Usei lápis e canetas,
Gastei muitas filipetas,
Usei óleo, usei pincel.
Meteoros e cometas,
Voei com eles no céu!

Brincando de poesia
Fiz chorar meu coração,
Dei asas à fantasia,
Fiz um mundo em harmonia,
Embalei doce ilusão!
Brincando de poesia
Fiz dela minha paixão!

Rondel à minha Lua














Cantava quando à noite tu dormias,
Cantava quando cheia prateavas!
Cantei-te em serenatas melodias,
Amei a tua luz quando brilhavas!

O amor que eu declarava não ouvias,
Não era eu o alguém com quem sonhavas.
Cantava quando à noite tu dormias,
Cantava quando cheia prateavas!

Veio o destino cheio de manias,
Plasmando o meu amor em teu caminho.
Nascia assim o amor que não previas!...
Lembro-me hoje as vezes que eu sozinho
Cantava quando à noite tu dormias!

domingo, 3 de julho de 2011

Lá vem ela

Tão linda
Tão bela
Tão doce
Vem ela
A me abraçar

Sorriso
Na face
Não mostra
Disfarce
Só quer me amar

Tão belo
Momento
Recebo-a
Sedento
E a faço sonhar!